Ministério da Saúde oferece mais de 8 mil vagas no Mais Médicos. Saiba como ganhar a sua!

16 de novembro de 2018 at 15:14

A expectativa que o novo edital seja divulgado nos próximos dias (Foto: Divulgação/MS

O Ministério da Saúde realiza nesta sexta-feira (16), uma reunião com a Organização Pan-Americana de Saúde(Opas) para definir da saída dos médicos cubanos e entrada dos profissionais brasileiros que serão selecionados por edital para o programa Mais Médicos.

De acordo com o site do MS, será finalizada a proposta de edital para selecionar profissionais para as 8.332 vagas que serão deixadas pelos médicos cubanos.

“No início a da próxima semana, será dada coletiva de imprensa para esclarecer detalhes sobre o edital de seleção e chamada para inscrições”, diz a nota do site.

A seleção de profissionais brasileiros em primeira chamada do edital será realizada ainda no mês de novembro e o comparecimento aos municípios, imediatamente após a seleção.

Atualmente, o Mais Médicos possui 18.240 vagas, sendo que as 8.332 vagas foram preenchidas por cubanos. Segundo o presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Mauro Junqueira, cerca de 1.600 vagas estão disponíveis no momento.

O ministério informou ainda que outras medidas irão ser implantadas para ampliar a participação de brasileiros, como a negociação com os formados por meio do Programa de Financiamento Estudantil (FIES). O órgão vai discutir com a equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro sobre a necessidade de adotar essas ações.

(Com informações do Ministério da Saúde)

Personal trainer é alvejado com vários disparos em Castanhal

16 de novembro de 2018 at 12:05

Personal trainer é alvejado com vários disparos em Castanhal  (Foto: Reprodução / Facebook)

(Foto: Reprodução / Facebook)

Um personal trainer, identificado como Marcio Menezes, foi alvejado com vários disparos na manhã desta sexta-feira (16), no bairro Jaderlândia, em Castanhal, nordeste paraense.

(Foto: via WhatsApp)

Ele é dono de uma academia no município. Os tiros atingiram o pescoço e ombro de Marcio Menezes. Ele foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Castanhal. Ele não corre risco de morte.

A motivação do crime ainda é desconhecida.

(DOL)

Presos acusados da morte do radialista Jairo Sousa

16 de novembro de 2018 at 11:26

Presos acusados da morte do radialista Jairo Sousa (Foto: Reprodução)

Operação para prender envolvidos tem a participação de cerca de 50 agentes (Foto: Reprodução)

Dois homens, ainda não identificados, foram presos acusados pela morte do radialista Jairo Sousa, ocorrida em Bragança, nordeste paraense, no último mês de junho.

Os dois envolvidos no assassinato do radialista foram levados para o prédio da Unidade Integrada da Polícia.

Segundo a Divisão de Homicídios, cerca de 50 políciais militares estão envolvidos nessa operação.

ENTENDA

Jairo Sousa foi morto quando entrava no prédio da Rádio Pérola, onde trabalhava. Era conhecido por fazer denúncias de irregularidades e desvios envolvendo prefeituras, vereadores, empresas e autoridades ligadas a processos licitatórios de forma irregular.

O radialista foi executado com dois tiros no dia 21 de junho.

(DOL)

 

Investigador da Polícia Civil morre após discutir com delegado em Belém

16 de novembro de 2018 at 10:24

Investigador da Polícia Civil morre após discutir com delegado em Belém (Foto: Cristino Martins/Ag. Pará)

Um discussão entre um delegado e um investigador de Polícia Civil, na noite de quinta-feira (15), resultou na morte do IPC. O caso aconteceu na travessa Humaitá, com a avenida Visconde de Inhaúma, no bairro da Pedreira, em Belém.

De acordo com relatos de testemunhas, o delegado estava discutindo com familiares, quando foi acionada uma equipe da Delegacia De Crimes Funcionais (DECRIF). Ao chegar no local, o investigador identificado apenas como Cláudio também discutiu com o delegado, que não teve o nome divulgado, e passou mal, sofrendo um princípio de infarto.

Ele foi socorrido e levado para um hospital particular, mas não resistiu e faleceu.

De acordo com informações da Polícia Civil, a corregedoria já está apurando os fatos.

Homem é executado dentro de casa; crime pode estar relacionado com morte de mulher nua

15 de novembro de 2018 at 12:45

Ronycy Trindade dos Santos foi executado dentro da própria casa, na madrugada desta quinta-feira (15), na rua Castanhal, no bairro Paar, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém.

Ele estava acompanhado da namorada, Karoline Santos, que foi encontrada morta na manhã de hoje (15) em uma área de mata no bairro Distrito Industrial, também na mesma cidade.

Leia também:

Mulher é encontrada morta, nua e com as mãos amarradas em Ananindeua

Segundo informações dos familiares de Ronycy, a última vez que ele entrou em contato foi com a mãe pelo telefone, ainda na madrugada, dizendo que iria voltar para a casa da ex-mulher, com quem tem três filhos. A conversa, no entanto, foi interrompida.

Segundo a mãe da vítima, o celular dele teria sido agarrado por outra pessoa.

O açougueiro, de 39 anos, não deu mais notícias, tendo sido encontrado morto com cinco tiros, dentro do quarto da própria casa, sendo um deles na cabeça.

(Com informações de Priscila Soares/Diário do Pará)

Moradores interditam rodovia BR-316

15 de novembro de 2018 at 10:30

Moradores interditam rodovia BR-316 (Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

Na manhã desta quinta-feira (15), moradores do conjunto Neópolis, em Benevides, região metropolitana de Belém, interditaram uma faixa do quilômetro 21 da rodovia BR-316, sentido Belém-Benevides. Eles pedem melhorias na infraestrutura e policiamento do local.

Confira:

Eles colocaram fogo em pneus e pedaços de madeira na via, provocando grandes chamas e atrapalhando a visão dos condutores. Uma equipe do Corpos de Bombeiros já está no local para controlar o fogo.

Imagem: Via WhatsApp

(DOL)

 

Helder defende compensação dos estados por Lei Kandir

15 de novembro de 2018 at 09:09

Helder defende compensação dos estados por Lei Kandir (Foto: Wagner Almeida/Diário do Pará)

Governadores eleitos de 20 estados se reuniram com Jair Bolsonaro sobre as novas gestões (Foto: Wagner Almeida/Diário do Pará)

Governadores eleitos e reeleitos de 19 estados e do Distrito Federal participaram ontem (14), em Brasília, do Fórum de Governadores, que reuniu, pela primeira vez, gestores de todo país em torno de uma pauta única. Segurança pública, redução de desigualdades, dívidas públicas e a necessidade de criação de um novo pacto federativo foram alguns dos temas apresentados. Ao final do encontro eles aprovaram 13 itens principais que farão parte de documento a ser entregue ao presidente da República Eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Entre as prioridades aprovadas pelo grupo está a sugestão apresentada pelo governador eleito pelo Pará, Helder Barbalho. Ele defendeu a inclusão da compensação aos estados pelas desonerações da Lei Kandir na pauta de reivindicações. “Dentro do pacto federativo, é fundamental que haja compensação pela Lei Kandir, em que os estados que exportam commodities, que acabam sendo isentos, acabam não recebendo a compensação pelo governo federal”, afirmou o governador eleito. A proposta foi aprovada pelos demais representantes que assinam o documento final.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, participou do encontro com os gestores estaduais e defendeu a aprovação de medidas “um pouco amargas” no Congresso Nacional. Em um discurso no fim do evento, Bolsonaro disse que a União e os estados vivem momento de dificuldade e que a equipe econômica de seu governo está concluindo propostas de reformas que devem ser apresentadas ao Congresso. Ele não citou especificamente a quais reformas se referia.

“As reformas passam pela Câmara e pelo Senado e nós pedimos neste momento, os senhores têm realmente a perfeita noção do que tem que ser feito. Algumas medidas são um pouco amargas, mas nós não podemos tangenciar com a possibilidade de nos transformarmos naquilo que a Grécia passou, por exemplo”, afirmou Bolsonaro.

CUSTO AMAZÔNICO

Ainda durante o Fórum de Governadores, Helder defendeu a inclusão do custo amazônico, ressaltando as dificuldades enfrentadas pelos estados da região, que solicitam, há anos, um olhar diferenciado por parte do Governo Federal para a região. O governador paraense enfatizou a necessidade de o Fórum de Governadores trabalhar, de maneira efetiva e unida, na busca de soluções para conter a crescente onda de violência. “É fundamental, primeiro, compreender que com a grandeza do Brasil, faz-se necessário que as políticas públicas sejam com um olhar regionalizado”.

Helder exemplificou dizendo que sendo de um Estado da Amazônia, as políticas que possam ser aplicadas em São Paulo, no Sudeste, no Sul, não necessariamente se assemelham a realidade na Amazônia e o custo amazônico é absolutamente irrelevante”, afirmou. “Como também, dentro do pacto federativo, é fundamental que haja compensação pela Lei Kandir, em que os estados que exportam commodities, que acabam sendo isentos, não acabam recebendo a compensação pelo governo federal”.

O governador reforçou que, durante a nova gestão, os governadores eleitos devem trabalhar de forma efetiva, respeitando o equilíbrio das contas públicas e cumprindo com o que a população anseia. “Todos devem contribuir e fazer o seu dever de casa. É necessário que os Estados possam ser mais eficientes nos gastos públicos, possam compreender o fortalecimento do desenvolvimento de suas economias para ampliar as suas receitas e a sua capacidade de investimento e otimizar o aprimoramento de mão de obra para não inchar a folha”, ressaltou. “Que cada um faça o seu dever de casa e nós possamos construir um ambiente de governança, sejam para os estados, sejam para o governo federal, em que o equilíbrio das contas possa prevalecer, mas acima de tudo, a capacidade dos estados de fazerem frente às expectativas da sociedade”.

Por fim, Helder destacou a importância da união de todos para garantir as melhorias que os estados e o país precisam. “Todos devem trabalhar de forma conjunta. Se o Brasil não der certo, os estados não darão certo. Se os estados não tiverem a capacidade de enfrentar os seus desafios, a sobrecarga acabará recaindo sobre o Governo Federal. Portanto, é hora de buscar caminhos conjuntos”, finalizou. “Dissociar o governo federal dos governos estaduais é absolutamente um equívoco. Nós temos que trabalhar de forma conjunta para encontrar uma solução federativa para o Brasil e para os brasileiros”.

(Luiza Melo/Diário do Pará)

Aprovado relatório que reconhece o Sairé como Manifestação da Cultura Nacional

14 de novembro de 2018 at 20:50
Na procissão religiosa, Saraipora carrega o símbolo do Sairé — Foto: Adonias Silva/G1

Na procissão religiosa, Saraipora carrega o símbolo do Sairé — Foto: Adonias Silva/G1

Foi aprovado na terça-feira (13) o relatório que reconhece a Festa do Sairé, realizada em Alter do Chão, em Santarém, no oeste do Pará, como Manifestação da Cultura Nacional. O projeto, de autoria do deputado federal José Priante (MDB/PA) foi aprovado pela Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados e agora segue para aprovação da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

O Sairé é um importante evento folclórico, cultural e turístico, que acontece anualmente no mês de setembro. O ponto alto do lado religioso é a procissão, mas a festa também tem um lado “profano”, o Festival dos Botos, disputa entre dois grupos folclóricos: o Boto Tucuxi e o Boto Cor de Rosa. A apresentação de cada boto é acompanhada por torcidas organizadas, e ao final das apresentações, um grupo de jurados define o boto que melhor contou a lenda.

Apresentação Boto Cor de Rosa no Sairé 2018 — Foto: Geovane Brito/G1

Apresentação Boto Cor de Rosa no Sairé 2018 — Foto: Geovane Brito/G1

A Festa estimula o turismo cultural, contribui para o desenvolvimento econômico e social da região e gera centenas de empregos diretos e indiretos na vila de Alter do Chão e em Santarém.

Apresentação Boto Tucuxi no Sairé 2018 — Foto: Geovane Brito/G1

Apresentação Boto Tucuxi no Sairé 2018 — Foto: Geovane Brito/G1

Quatro dias após ser preso, homem é encontrado enforcado dentro de cela no Pará

14 de novembro de 2018 at 18:40

Quatro dias após ser preso, homem é encontrado enforcado dentro de cela no Pará  (Foto: Reprodução Twitter)

(Foto: Reprodução Twitter)

Um detento foi encontrado enforcado dentro de uma cela do Centro de Recuperação Regional de Paragominas (CRRPA), sudeste paraense, no início da manhã desta quarta-feira (14). Os outros presos, com quem a vítima dividia a cela, não quiseram comentar o caso.

De acordo com informações da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), o interno D.C.S foi encontrado enforcado na cela, por volta das 6h desta quarta-feira. Ele havia sido detido no último dia 10 de novembro, por tráfico de drogas, e dividia cela com outros sete presos.

“Um inquérito foi aberto para investigar o fato. O corpo já foi removido pelo Instituto Médico Legal (IML)”, afirmou a Susipe, por meio de nota.

Temer diz que está analisando com ‘muito cuidado’ o reajuste para ministros do STF

14 de novembro de 2018 at 14:52

Por G1 — Campinas

Temer posou para foto ao lado de pesquisadores do projeto Sirius, em Campinas — Foto: Cesar Itiberê/PR

Temer posou para foto ao lado de pesquisadores do projeto Sirius, em Campinas — Foto: Cesar Itiberê/PR

O presidente Michel Temer disse nesta quarta-feira (14) que está analisando com “muito cuidado” o projeto de reajuste salarial para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e que vai decidir “lá na frente” se vetará ou sancionará o texto.

O reajuste foi aprovado pelo Senado na semana passada. Pelo texto, os subsídios dos ministros passariam dos atuais R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

O tema causa incômodo em setores do governo que defendem maior rigor com as contas públicas. O argumento é que o salário de ministros do Supremo serve de baliza para outras categorias. Portanto, o reajuste geraria um “efeito cascata” indesejado neste momento em que o país lida com rombo fiscal.

“Eu estou examinando. Você sabe que eu tenho 15 dias. Eu estou examinando esse assunto com muito cuidado. Só decidirei lá na frente. Vamos ver como fazemos”, afirmou o presidente, após ser questionado por jornalistas sobre o tema. Ele participou de um evento em Campinas de inauguração do projeto Sirius, o maior acelerador de partículas do país.

“Temos até o dia 28 de novembro para sanção”, completou Temer.

Na semana passada, após o texto ser aprovado no Congresso, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou que via o aumento de gastos com preocupação. Ele disse que este não era o “momento” de se ampliar despesas.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, também na última semana, afirmou que o reajuste no salários dos ministros do Supremo será compensado com o fim do auxílio-moradia para magistrados.

Presidente Michel Temer durante discurso em Campinas (SP) nesta quarta-feira (14) — Foto: Cesar Itiberê/Presidência da RepúblicaPresidente Michel Temer durante discurso em Campinas (SP) nesta quarta-feira (14) — Foto: Cesar Itiberê/Presidência da República

Presidente Michel Temer durante discurso em Campinas (SP) nesta quarta-feira (14) — Foto: Cesar Itiberê/Presidência da República

‘Efeito cascata’

O aumento nos salários dos ministros gera o chamado “efeito cascata” nas contas públicas, porque representa o teto do funcionalismo público.

Quando o teto é elevado, aumenta também o número de servidores que poderão receber um valor maior de gratificações e verbas extras que hoje ultrapassam o teto.

Segundo cálculos de consultorias da Câmara e do Senado, o reajuste poderá causar um impacto de R$ 4 bilhões nas contas públicas.

Como foi a tramitação

O projeto que o Senado votou foi encaminhado ao Congresso em 2015 pelo ministro Ricardo Lewandowski, então presidente do STF.

Em 2016, o texto foi aprovado na Câmara, mas ficou parado no Senado e só foi votado na última semana.

Durante todo o período em que a ministra Carmen Lúcia presidiu o tribunal (entre setembro de 2016 e setembro de 2018), ela foi contra incluir no orçamento o reajuste em razão da crise fiscal.

Mas, em sessão administrativa em agosto deste ano, a maioria do tribunal decidiu incluir a proposta de aumento no orçamento de 2019. Ficaram vencidos, além de Cármen Lúcia, os ministros Celso de Mello, Rosa Weber e Edson Fachin.