Mais cinco mortos em rebelião no Pará

16 de abril de 2018 at 19:24

Mais cinco mortos em rebelião no Pará (Foto: Jornal Urumajó Online)

(Foto: Jornal Urumajó Online)

Os cinco detentos alvejados pela polícia durante uma fuga do Centro Regional de Recuperação de Bragança (CRRB), após rebelião na manhã desta segunda-feira (16), não resistiram aos ferimentos e morreram. Três detentos conseguiram fugir e são procurados pela Polícia Militar.

A  rebelião começou às 06h15 de hoje. Segundo o tenente Alexandre, comandante do Grupo Tático Operacional (GTO), ele foi acionado por agentes do Centro Regional de Recuperação que informaram sobre o levante. O presídio fica localizado na vila do Acarajó, zona rural de Bragança.

Uma guarnição do Grupo Tático se deslocou até o local e fez a primeira contenção, juntamente com os policiais que tiram serviço no Centro de Recuperação. Com a chegada de mais apoio, inclusive de policiais do município de Capanema, a rebelião foi contornada por volta das 10h30. A negociação teve participação da  juíza Daniela Modesto, titular da vara criminal da comarca de Bragança.

Durante o levante dos presos, oito detentos fugiram para a mata do entorno do Centro de Recuperação. Segundo o tenente Alexandre, houve confronto entre os policiais e os fugitivos. Cinco detentos foram baleados.

Os fugitivos foram encaminhados para unidade de saúde, mas não resistiram aos ferimentos e morreram.

O diretor do Instituto Médico Legal de Bragança, Cláudio Carvalho, informou que os cinco corpos sem identificação, resgatados pela equipe da instituição, foram encaminhados para o IML de Castanhal, para necropsia.

Superlotação

O motivo da rebelião foi a superlotação no Centro de Recuperação de Bragança: com capacidade para 122 detentos, o número de internos é de 315 detentos, ou seja, mais que o dobro.

Alguns familiares dos detentos se reuniram em frente ao Centro de Recuperação, em busca de notícias sobre os parentes. Outro grupo de familiares chegou a realizar um protesto em frente ao Fórum da Comarca de Bragança, no centro da cidade.

Segundo a juíza Daniela Modesta, haverá transferência de detentos da unidade.

Posicionamento

O DOL solicitou os nomes dos detentos mortos durante a rebelião.

Por meio de nota, a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) informou que os “possíveis presos não foram mortos durante a rebelião e sim na perseguição policial, após a fuga” e que aguarda a identificação dos corpos pelo IML para confirmar se todos os mortos são de fato internos do Centro de Recuperação.

(DOL com informações de José Clemente Schwartz/Diário do Pará)